::cck::7020::/cck::
::introtext::

Análise feita pela equipe de auditoria do Tribunal de Contas do Estado nas obras dos quiosques da orla de Boa Viagem, levou a prefeitura do Recife a ampliar as normas de acessibilidade do projeto, após vários ajustes feitos em conjunto com a equipe técnica do TCE.

A fiscalização, realizada pela Gerência de Auditoria de Obras no município do Recife (GAOP), identificou algumas irregularidades no projeto arquitetônico, entre elas o não atendimento à Norma de Acessibilidade nº 9050.2021 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), dificultando o acesso aos quiosques e o atendimento a usuários com limitação motora, especialmente por parte dos cadeirantes.

Um dos pontos questionados pela equipe da GAOP foi a altura do balcão de atendimento, que não se enquadrava ao item 9.2.1.5 da NBR 9050. O normativo assegura ‘altura livre sob o tampo de no mínimo 0,73 m e profundidade livre mínima de 0,30 m’.
Diante das falhas apontadas, os auditores solicitaram ao relator do processo, Carlos Neves, a expedição de uma Medida Cautelar determinando ao Gabinete de Projetos Especiais da cidade do Recife (GABPE)  a suspensão da execução das obras de requalificação dos quiosques, e dos pagamentos, até que o projeto atendesse às normas brasileiras de acessibilidade.
ll RESULTADO ll
Notificada, a chefe do Gabinete de Projetos Especiais da cidade do Recife, Cinthia Cibelle Mello de Souza, apresentou defesa técnica ao TCE e alegou que uma eventual paralisação da obra levaria à necessidade de indenização da contratada pelos dias parados, já que a empresa mantém equipe de trabalho no local para execução dos serviços. Entretanto, a gestora informou que faria as alterações no projeto de arquitetura, recomendadas pela auditoria, adequando-os às normas da ABNT, para dar um maior conforto e ampliar a acessibilidade das pessoas com necessidades especiais.
Diante das medidas adotadas pela GABPE, o relator decidiu pelo indeferimento da Cautelar, mas enviou um Alerta de Responsabilização à gestora, com penalidades cabíveis, caso não sejam adotadas as medidas necessárias para a correção da altura do balcão nos moldes do que manda o regramento da ABNT.
O cumprimento das adequações do projeto será acompanhado pela equipe técnica da Diretoria de Controle Externo do Tribunal.
O indeferimento da cautelar foi referendado pela Segunda Câmara do TCE, em sessão realizada nessa quinta-feira (14), com votos dos conselheiros Dirceu Rodolfo de Melo Júnior e Teresa Duere. O procurador Ricardo Alexandre representou o Ministério Público de Contas na sessão.

Gerência de Jornalismo (GEJO), 15/07/2022

::/introtext::
::fulltext::::/fulltext::
::carrossel::3::/carrossel::

::cck_carrossel::imagens_e_legendas::/cck_carrossel::
::legenda_carrossel|0|carrossel::::/legenda_carrossel|0|carrossel::
::imagem_carrossel|0|carrossel::::/imagem_carrossel|0|carrossel::
::cckend_carrossel::::/cckend_carrossel::
::cck_carrossel::imagens_e_legendas::/cck_carrossel::
::legenda_carrossel|1|carrossel::::/legenda_carrossel|1|carrossel::
::imagem_carrossel|1|carrossel::::/imagem_carrossel|1|carrossel::
::cckend_carrossel::::/cckend_carrossel::
::cck_carrossel::imagens_e_legendas::/cck_carrossel::
::legenda_carrossel|2|carrossel::::/legenda_carrossel|2|carrossel::
::imagem_carrossel|2|carrossel::::/imagem_carrossel|2|carrossel::
::cckend_carrossel::::/cckend_carrossel::