Urna eletrônica modelo UE 2020 - TSE 2022

PF, partidos e universidades fazem parte do rol de entidades que já realizaram a inspeção do código-fonte ao longo dos anos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realiza, antes de cada eleição, a abertura dos códigos-fontes para a inspeção de entidades fiscalizadoras do processo eleitoral. A solenidade é uma ação obrigatória do TSE, prevista na Lei 9.504/1997, e ocorre desde 2002. Ao longo dos últimos anos, diversas instituições como partidos políticos, Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF) já compareceram ao evento.

Vale lembrar que as urnas eletrônicas começaram a ser usadas em 1996, mas o primeiro pleito 100% informatizado no Brasil ocorreu em 2000, durante as eleições municipais. Naquele ano, a votação por cédulas de papel deixava de existir no país.

Já na eleição geral seguinte, em 2002, as coligações e os partidos políticos foram convidados a fiscalizar todas as fases do processo de votação e apuração das eleições, com o intuito de dar mais transparência ao processo eleitoral e garantir a lisura do sistema eletrônico de votação. 

Histórico

Veja mais